Ingénuos Exercícios de Xenofobia

Assistimos impávidos e aparentemente serenos ao enxovalhar de organizações mundiais supostamente idóneas, respeitáveis e temidas, por parte de um cowboy oriundo das estepes geladas da sempre muito czarista Rússia, que nos está a fazer o favor de nos mostrar e demonstrar, a nós crentes, descrentes e céticos, para que serve ser dono e senhor de 6000 ogivas nucleares… O criminoso Vladimir Putin, o tal cowboy

O Ataque do Urso -p2

Começo por reconhecer que me enganei no primeiro artigo sobre este tema pois a Ucrânia não foi humilhada e por consequência nós, os utentes deste mundo dito civilizado, não voltámos às nossas vidinhas diárias nos moldes ditados há muito pela ordem mundial. De facto, contra tudo e contra todos, ainda vemos a Ucrânia a resistir, embora me pareça que o seu destino será, a curto

As Geografias da Nossa Intolerância

Imaginem que pega moda, isto de atacar o vizinho quando ele quer aderir a um clube de que não gostamos. Ou, quiçá, quando não se gosta da cor das meias que o vizinho usa. Ou ainda quando se toma consciência que há uns séculos, bem lá atrás, o vizinho foi uma outra coisa qualquer, num outro qualquer contexto que podemos redesenhar a nosso bel-prazer… Claro

O Ataque do Urso

Qualquer putin existente no mundo é um putin a mais no mundo! Ora, infelizmente, este mundo está infestado de putins e aprendizes de putin e por isso parece só termos uma solução perante esta invasão da Ucrânia pela Rússia: vermos o urso feroz a atacar com toda a sua força, que acumulou durante décadas sob complacente observação de todos nós, a devorar a sua presa

E os Ucranianos? Hem?

Sim, no meio deste show-off todo, quem é que realmente está preocupado com os ucranianos? Coitados, foram apanhados no meio de polvos e tubarões e só prevejo um destino para esse pobre país: vão ser comidos! Não consigo ver os USA, a Rússia ou a sempre atabalhoada União Europeia muito preocupados com esse pobre país que, de repente e sem saber ler nem escrever, virou

A História Explica

A História é um mero relato, por uma ou várias pessoas, de um conjunto de factos acontecidos na ordem arbitrária em que aconteceram em resultado da actividade da humanidade. A História não explica nada mas pode ser usada como ferramenta de suporte a certas conjecturas sobre a actividade humana, no presente e no passado, ou eventualmente a certas previsões sobre a mesma. Cada país tem