Design Thinking: a inovação acessível a todos

A primeira vez que ouvi falar em design thinking foi provavelmente o ano passado, quando no meu antigo emprego, me foram dados a conhecer alguns programas de formação para executivos na área da inovação. Este tipo de conteúdos tem surgido um pouco por todo lado, sempre mais ligados às start-ups, à digitalização dos negócios e à inovação nas empresas. Ao início, parece ser tudo um

Fotografia: captando detalhes…

Normalmente, as pessoas querem ver o resultado final do processo artístico: uma performance, uma obra em exposição, uma peça de teatro… Mas aquilo que me gera mais curiosidade, na verdade, é perceber como os artistas – de vários meios – chegam ao resultado final. Acho que existe uma veia etnográfica também nesta atividade de fotografar e que já me carateriza noutros contextos: conhecer as pessoas,

Mafalda, Uma Perspetiva (Quase) Infantil

Desde pequena, entre os livros dos meus pais, me deparei com algumas bandas desenhadas, o que sempre achei estranho. Adultos que lêem livros com bonecos e ilustrações? Apesar de me deixar intrigada, eu curiosamente nunca lhes dei a devida atenção. Havia um livro em particular que parecia ser diferente, parecia transmitir outro tipo de mensagens, pelo que a minha mãe me explicou. Tinha uma menina

Loucos Anos 30

Chegámos a setembro! Este ano tem sido esquisito e confuso, mas finalmente chegamos a setembro! Só de pensar que a última vez que me senti normal foi em fevereiro… Parece que o mundo ficou mais louco, ou pelo menos com menos vergonha para o mostrar: violência policial, eventos cancelados (mas nem todos), medidas de restrição completamente incoerentes e flutuantes, com interesses económicos (sempre) à mistura.

Vem Minha Tristeza

Esta semana concluí finalmente que devia por um ponto final numa amizade que já durava há algum tempo. Percebi que a nossa relação se tem vindo a desgastar, pelos mais diversos motivos, e até o diálogo que antes era aberto e construtivo estava a tornar-se tóxico para ambos. Hoje deparei-me com a tristeza que esta decisão me trazia. A tristeza não é algo novo, na

Manta de Retalhos

Há algum tempo que queria falar sobre conhecer novas pessoas. Continua a ser algo pouco comum para mim, surge um bocado por fases, mas nos últimos anos tenho sentido isto como uma lufada de ar fresco. Acho que me está a dar a oportunidade de ser esta nova versão que estou a construir, sem amarras ou expectativas que possam existir por parte dos meus amigos mais “antigos”. Geralmente, as pessoas que nos conhecem há muitos anos ficam agarradas a uma imagem nossa, mas depois, quando algo muda em nós ou na nossa vida, elas têm dificuldade em ver essas mudanças. Ultimamente, tenho percebido que isso pode ser sufocante. Contudo, hoje esse não é o tema.

3 Horas de Invisibilidade

Há dias desafiaram-me a pensar no que eu faria se tivesse 3 horas de invisibilidade. O que faria se não pudesse ser vista ? Como fã de Harry Potter que sou, obviamente já tinha pensado neste assunto. Um Manto de Invisibilidade dá jeito em algum momento (ou vários) nas nossas vidas! Atualmente, e considerando o que se passa na minha vida neste momento, provavelmente aproveitaria

A Arte de Mandar Vir

Não, não me refiro à arte de mandar vir comida de fora, para incentivar o comércio dos restaurantes nesta época de pandemia. Refiro-me à arte de algumas pessoas em criticar o mesmo tema, sob várias perspetivas e formas. Senão vejamos… Há dias vi um texto no Facebook que tinha como intenção satirizar o facto de, em muitas zonas do país, desde que foi decretado o

Contos de Fadas

Nos últimos meses tenho-me interrogado muito sobre o que leva alguém a ficar numa relação tóxica, seja uma relação longa que já não acrescenta mais nada a nenhuma das partes, seja uma relação intermitente, com início e final e recomeços, que suga a auto-estima das pessoas. Eu, infelizmente, já fui uma dessas almas que se enredou demasiado numa relação, por achar que basta uma das

Síndrome de Steve Jobs

Há umas semanas revi o filme “Jobs”[1], protagonizado por Ashton Kutcher, acerca deste monstro do empreendedorismo tecnológico que é o Steve Jobs. Quer se goste ou não, a verdade é que ele se mantém como uma inspiração para muitos empreendedores, um pouco por todo o mundo, em diversas áreas. Uns dias antes, curiosamente, falava com alguém sobre a minha paixão. Acho que não tenho nenhuma.

Reflexos de Sistemas Operativos

O limite das nossas relações está no “não” que dizemos, está na disponibilidade que demonstramos, está no espaço que definimos como nosso. Por vezes, é difícil concretizar esses limites, pelo menos para mim. Existe um receio (infundado ou não) de algum tipo de rutura, de que as coisas não voltem ao que eram antes, de que qualquer alteração na relação pode fazer com que se

Cidade do Porto