Colloquy Potestas

Quem disse que todos os problemas podem ser resolvidos através da discussão? Simplesmente não podem até porque nem sempre da discussão nasce a luz. Na verdade, muitos problemas começam exatamente durante a discussão e então da discussão nasce a escuridão. Digamos que, porque sou um amante das coisas básicas e simples, é melhor ficarmos de boca fechada se não tivermos a certeza do que dizer

Epidémica Insanidade Mental -p7

Abananados com o resultado das eleições? Num estado quase alucinogénico porque PS e AD estão quase em empate técnico e o comentador benfiquista afinal vai mesmo ter voto na matéria? Não conseguem compreender porque um partido fascista, racista, xenófobo e arruaceiro[1] chegou aos 18% de uma população que desta vez até nem se absteve por aí fora na vã tentativa de pôr alguma ordem na

E Lisa

E que tal uma seleção do melhor de Lisa Gerrard em CD? Um “best of”… FIG – o melhor de Lisa Gerrard por ZeBarbosa. Sei, não é para todos, apenas para pragmáticos sensíveis[1] como eu. E também só para gente antiga (como eu) que ainda usa CDs. É que eu sou da geração do Disco de vinil, da geração que viu o CD a nascer[2]

Por falar em códigos…

Hoje apresento um dos maiores compositores de bandas sonoras de filmes (cinema), Hans Zimmer, compositor alemão, 1957, que também compôs para uma trilogia fenomenal, “O Código Da Vinci” em 2006, “Anjos e Demónios” em 2009 e “Inferno” em 2016 dos quais não perdi pitada até porque aprecio Tom Hanks. O “Chevaliers de Sangreal”[1] é o tema que deixo aqui para delícia de quem quiser ouvir,

Cruzando a 64ª Constelação…

As pessoas valem pelo que fazem ou têm, não pelo que são. Esta é uma verdade aprendida algures nas nossas vidas quando o nosso cérebro já é capaz de entender a diferença entre o “ser” e o “ter”. No entanto, isso não acontece com todos porque nem todos conseguem atingir aquele estado de sabedoria que lhes permite considerarem-se sábios ou serem considerados por outros como

Disfunção Social

… ou “Sou um pobre cowboy solitário e estou muito longe do lar…”. A ideia aqui não é falar sobre Lucky Luke, o cowboy mais rápido que a sua própria sombra, mas sim falar apenas sobre a desmistificação da solidão e a exaltação da sua parte saudável. Convenhamos que não tenho intenção de oferecer ao mundo uma receita para batalhar contra a solidão, na sua

Aonde Pensas que Vais?

Vais sair? A esta hora? Aonde vais? E com quem vais? Conheço? Aonde pensas que vais? A que horas vens? Não achas tarde demais? Aonde pensas que vais? Com quem vens? Conheço? Aonde pensas que vais? Vais assim vestida? Estás a brincar comigo, não estás? Tens mesmo que ir assim? Não está frio lá fora? Aonde pensas que vais? Não vais sentir a minha falta?

Não Desprezes…

Não somos todos iguais! Seremos, quando muito, diferentes mas partilhando pontos comuns. Caraterísticas físicas. Mentais. Comportamentos que dependem do contexto em que nascemos e somos criados. Somos seres humanos mas antes de mais somos animais. Animais de uma espécie que se distingue pelo poder de um orgão que tem tanto de nosso amigo como de nosso inimigo: o cérebro! Não desprezemos o seu poder de

Épocas & Épicos

Hoje o rei Carlos III[1] recebeu a coroa e, não sei porquê, lembrei-me do filme ‘Gladiador’[2]. Talvez no meu subsconsciente habite a simpatia por alguém que vai enfrentando e liquidando impérios e seus imperadores, embora o Reino Unido não seja há muito o império que foi noutras épocas. Vi o ‘Gladiador’ no cinema e gostei porque sou fã de fantasia, de filmes épicos/de época, de

Cidade do Porto