Por falar em códigos…

Hoje apresento um dos maiores compositores de bandas sonoras de filmes (cinema), Hans Zimmer, compositor alemão, 1957, que também compôs para uma trilogia fenomenal, “O Código Da Vinci” em 2006, “Anjos e Demónios” em 2009 e “Inferno” em 2016 dos quais não perdi pitada até porque aprecio Tom Hanks. O “Chevaliers de Sangreal”[1] é o tema que deixo aqui para delícia de quem quiser ouvir,

Cruzando a 64ª Constelação…

As pessoas valem pelo que fazem ou têm, não pelo que são. Esta é uma verdade aprendida algures nas nossas vidas quando o nosso cérebro já é capaz de entender a diferença entre o “ser” e o “ter”. No entanto, isso não acontece com todos porque nem todos conseguem atingir aquele estado de sabedoria que lhes permite considerarem-se sábios ou serem considerados por outros como

Disfunção Social

… ou “Sou um pobre cowboy solitário e estou muito longe do lar…”. A ideia aqui não é falar sobre Lucky Luke, o cowboy mais rápido que a sua própria sombra, mas sim falar apenas sobre a desmistificação da solidão e a exaltação da sua parte saudável. Convenhamos que não tenho intenção de oferecer ao mundo uma receita para batalhar contra a solidão, na sua

Aonde Pensas que Vais?

Vais sair? A esta hora? Aonde vais? E com quem vais? Conheço? Aonde pensas que vais? A que horas vens? Não achas tarde demais? Aonde pensas que vais? Com quem vens? Conheço? Aonde pensas que vais? Vais assim vestida? Estás a brincar comigo, não estás? Tens mesmo que ir assim? Não está frio lá fora? Aonde pensas que vais? Não vais sentir a minha falta?

Não Desprezes…

Não somos todos iguais! Seremos, quando muito, diferentes mas partilhando pontos comuns. Caraterísticas físicas. Mentais. Comportamentos que dependem do contexto em que nascemos e somos criados. Somos seres humanos mas antes de mais somos animais. Animais de uma espécie que se distingue pelo poder de um orgão que tem tanto de nosso amigo como de nosso inimigo: o cérebro! Não desprezemos o seu poder de

Épocas & Épicos

Hoje o rei Carlos III[1] recebeu a coroa e, não sei porquê, lembrei-me do filme ‘Gladiador’[2]. Talvez no meu subsconsciente habite a simpatia por alguém que vai enfrentando e liquidando impérios e seus imperadores, embora o Reino Unido não seja há muito o império que foi noutras épocas. Vi o ‘Gladiador’ no cinema e gostei porque sou fã de fantasia, de filmes épicos/de época, de

Aridez Emocional

A diferença entre ‘sentimento’ e ‘emoção’ ou entre o ‘estado sentimental’ e o ‘estado emocional’ é tão ténue que por vezes é tida como nenhuma. Na qualidade de homem pragmático, que em mim tomo como uma caraterística inata, não sou muito dado a um ou outro estado mas, em compensação, nutro uma elevada simpatia por ambos. Estava eu conversando com alguém sobre as coisinhas da

Maio, O Primeiro -p2

E então um grande VIVA! a todos aqueles que se esfalfam diariamente para ganharem umas coroas… Hoje recomendo Vitorino Salomé (‘ganda’ alentejano nascido em 1942) e a sua canção “Queda do Império”, lançada em 1983, porque há certos e determinados impérios a quem desejo uma vertiginosa queda. Por exemplo, o império dos oligarcas[1], dos autocratas[2], dos cleptocratas[3] e outros vermes pretensamente humanos. Além do grande

Cidade do Porto