Qual Beleza Interior Qual Quê

Aquela de “o que conta é a nossa beleza interior”? Esqueçam. Por dentro somos feios comó caraças. Muito avermelhados ou rosados, ou então tipo tripas à moda do Porto antes de irem para a panela. Isso, feios quanto baste. Até porque depois de uma endoscopia e uma colonoscopia com o médico a insistir para eu ver as imagens, passei a odiar as gajas que acham que a beleza interior é que conta.

E também depois daquela profissional da noite ter dito que eu era charmoso porque não conseguia aplicar-me nenhuma das expressões “garanhão” ou “bonitão”, passei a acreditar na minha beleza exterior como ela é.

E então fui desenterrar esta t-shirt que tanto amo, mais que tudo no mundo (frase muito brasileira, né?). O meu amigo grumpy. Aí está ele. É assim que o mundo me vê. Então é assim que eu sou. Sei lá, mesmo que não seja, sou. Porque é barato. Não dá milhões. E nada muda na minha vida…


A minha Grumpy t-shirt.

Já lá vão 12 anos desde a compra desta t-shirt num lugar icónico na minha existência: a Disney World. A verdadeira. A original. Orlando, Florida, United States. Inesquecível, eram os meus putos ainda putos, coisa que já não são. E ficou a fama: sou um mau feitio. E então comprei a figura mais icónica dos maus feitios. O best of the best, o grumpy…

E somos aquilo que aparentamos ser. Os que pensam o contrário é porque ainda andam na catequese a ouvir meninas catequistas que estão convencidas que transportam consigo a verdade absoluta, a pureza, a cristanilidade da existência…

Desejos de um Bom Natal aos maus feitios, gente de expressão carregada e dotada de humor negro, às vezes tétrico, e que se ri de coisas estúpidas e sem nexo. E um ano cheio de insucessos já que estes estão reservados aos maus feitios que nem eu, os quais, como se sabe, são os últimos a morrer.

É pena que a t-shirt tenha desbotado quando ao fim de 12 anos a tentei lavar. Burro eu! Ainda não aprendi a lavar coisas sensíveis. É isso, não sei tratar de coisas sensíveis porque acho que uso lixívia a mais. Hey pá, a lixívia cativou-me desde que me disseram que era dos melhores desinfetantes do mundo. E eu até acho que neste mundo quase tudo precisa de ser desinfetado…

Procuro a minha branca de neve.
Hugs & Kisses,
… e Bom Natal !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.