Procrastinar – Um Discurso Motivacional

Uma arte na qual sou muito boa – e que acho que nunca falei aqui – é a arte da procrastinação. Gosto muito das coisas organizadinhas e planeadas… mas quando a preguiça se instala é mesmo muito difícil contrariar o chamamento do sofá e das séries.

Acho que também é por isso que acabo por gostar mais de trabalhar com outros, porque enquanto tiver que mostrar resultados aos outros, a coisa até vai. Nos últimos meses, aliás, talvez por estar desempregada, tenho tido picos em que estou inspirada, ativa, vou concretizando algumas tarefas relacionadas com o que gosto de fazer, mas depois tenho semanas em que não me apetece sequer pegar no telemóvel para estar nas redes sociais (provavelmente a única coisa boa de procrastinar).

Hoje gostava de partilhar convosco algumas dicas para contrariar este péssimo hábito, que me têm ajudado a não estar totalmente parada e a não perder o ritmo nesta fase desafiante de confinamento e desemprego:

  1. Fazer Uma Lista das Tarefas: o primeiro passo – e que me parece essencial – é listar as tarefas que temos para fazer naquele dia. É importante que esta lista seja realista. Não a encham de tarefas complexas, se estão a procurar recuperar a vossa motivação aos poucos. Comecem com uma lista mais pequena, definam prazos realistas, para não gerar frustração.

    Eu faço esta lista na noite anterior e incluo também tarefas domésticas. Penso que é importante incluir este tipo de tarefas também, sobretudo agora que estamos mais confinados e sobretudo para quem possa estar em teletrabalho. Desta forma, as tarefas domésticas não ocupam mais tempo do que devem.

  2. Começar Pelas Tarefas Mais Fáceis: não se esqueçam de ordenar as tarefas por grau de complexidade, ou seja, comecem pelas tarefas mais fáceis e rápidas, que geralmente apenas dependem de vocês para serem concluídas; desta forma não desmotivam e chegam às tarefas mais complexas focados e entusiasmados;

  3. Decompor as Tarefas Mais Complexas: estas são o verdadeiro desafio quando estamos desmotivados, não é? Por isso é importante decompor estas tarefas em etapas, em tarefas mais pequenas, que eventualmente possam ser desenvolvidas ao longo de mais dias – mais uma vez, definam prazos realistas. Esta desconstrução, por outro lado, ajudará também a priorizar as tarefas em causa;

  4. Definir Blocos de Horários de Trabalho: definam períodos de tempo para se dedicarem a essa tarefa e procurem fazer intervalos regulares de 10-15 mins; isto ajuda a quebrar aquela mentalidade de que têm 8 horas (ou mais!!) para fazer uma tarefa demorada e complexa; obviamente o ritmo de cada pessoa varia, mas a questão das pausas é importante, já que por vezes é o suficiente para prosseguirmos de forma produtiva e motivada; definam os intervalos de acordo com o vosso ritmo, mas procurem não trabalhar demasiadas horas sem fazer uma pausa;

  5. Estabelecer Recompensas: para aqueles dias em que a motivação vos abandona, ao fim de x tarefas definam uma recompensa para vocês, por terem concluído essas tarefas. Por exemplo, ir tomar café com um amigo, dar um passeio, jantar fora, ver um episódio de uma série…

Fazer a lista de tarefas, desconstruir tarefas complexas, definir objetivos e prazos, ainda que pequenos, pode mesmo ajudar a organizar a montanha de coisas que acham que têm para fazer. À medida que as tarefas vão sendo cumpridas não se esqueçam de as riscar da lista, mesmo! Assim têm uma percepção da vossa evolução ao longo dos dias.

Em último, para complementar, procurem fazer mais daquilo que gostam, tentem ocupar o vosso tempo também com os vossos hobbies ou a aprender mais sobre os vossos temas favoritos. Isso ajuda na motivação, na produtividade e também na criatividade.

Acharam estas dicas úteis ? Têm outras recomendações de como combater a procrastinação? O que funciona convosco?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.