Os Gordos -p3

Os nossos médicos sempre foram uns iluminados. E tanta iluminação tem trazido os seus proveitos à classe dos ditos cujos que ao longo de muitas décadas tem sido uma classe de previlegiados. Ser médico em Portugal significa estar bem de vida e pronto, não falta juventude a querer ser mais um doutor…

Mas a parte que mais me irrita é a solução que eles engendraram para tratar de gente abonada de gordura como o “je”. Isso, um “moi même” dotado de uma avantajada vontade de comer. E de beber. E não estou falando propriamente de água… Enfim, mudando de assunto, acontece que que essas vedetas da nossa sociedade, a elite das elites, atira com pacientes como eu para as calendas gregas simplesmente dizendo “o senhor emagreça e volte cá”! Ponto final…

Não sei porque motivo muita gente anda correndo por esse país, por praias e calçadas fora trajado a rigor, mas imagino que um deles seja a vaidade. É mais uma cena tipo “olha malta, topa bem os meus bícepes, trícepes e quadrícepes a dar, a dar…”. Assim aquela mesma humilde razão que leva essa gente aos ginásios que, em paralelo com os supermercados, dizem ser lugares de engate. O povo tá numa de saúde, gente. Pronto, saúde acima de tudo e no resto Deus existe é para alguma coisa. Numa de imortalidade que nem um altivo Highlander. Ou pelo menos que dê para viver mais uns anos a gozar os prazeres da carne.

Bom, o que interessa é por em cima dum corpinho Danone uma roupinha toda bem escolhida, Nike de preferência porque dá no olho, e mostrar ao mundo o que temos de melhor enquanto damos umas corridas cheios de estilo. Muitos desses atletas nem se preocupam em consultar primeiro um médico para ver se a corrida é a solução ideal para os seus problemas de saúde, que eles nem conhecem, e muito menos se preocupam com a hora do dia mais adequada para correr. O que interessa é fazer o que os outros fazem porque, diz a inveja, se eles fazem eu também tenho de fazer. Teoricamente, claro está. Porque na realidade só copiamos nos outros aquilo que é uma cena de massas. É que cena de massas tá na base de “a maioria vence”, eu vou ficar bem na fotografia e pode ser que caiam uns proveitos. É que cidadão comum tá sempre demasiado ocupado para perder tempo com essa coisada de “temos que ser críticos e não umas maria-vai-com-as-outras”. O senso-comum impera em Portugal, o bom-senso afundou-se algures no imenso mar Português…

A obesidade é um sintoma de bem-estar! Eu já disse isto, certo? Mas é verdade, as sociedades bem-postas e ditas evoluídas encontraram nos prazeres da carne a sua moda da atualidade. Os “chefs” são as vedetas da atualidade e os programas sobre culinária dominam os canais TV deste país. Chegamos ao ponto de copiar aquela cena que valeu por ser original, criada pelo famoso Gordon Ramsay e de seu nome Ramsay’s Kitchen Nightmares. Bom, não perco tempo com esses programas de culinária que se destinam tão somente a convencer-nos que cozinhar é que é e a convidar-nos a engordar. É que chega a parecer que existimos para comer, muito mais que comemos para continuarmos a existir…

Bom, tá na hora de eu ir jantar. Ou seja, comer! Pouquinho porque quero voltar a dar dinheiro aos meus médicos. Senão coitadinhos, com tanta gente a engordar vão ter que parar de dizer “emagreça e apareça” ou então correm o risco de ficarem pobres. E eles não sabem ser pobres! É que consultas a 80 ou 100 euros por cinco minutos de treta não são coisa para desperdiçar. E com isto não estou a maldizer nem a depreciar a classe médica deste país. Mas eu preferiria que eles fossem tão bons como os médicos Cubanos e ao mesmo tempo tão menos arrogantes como os mesmos. Tá certo, de vez em quando gosto de fantasiar…

Que os deuses nos dêem asas para correr até mais não…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.