…É Quando Um Homem Quiser

Enquanto Deus estava sentado no seu trono, Serafim permanecia com as suas seis asas num lugar um pouco mais acima de Deus. E enquanto duas asas lhe cobriam o rosto, duas os pés e as outras duas o mantinham a levitar, toda a Terra mergulhava nas profundezas da dor que chamas intensas e inesgotáveis de um fogo interminavelmente consumidor lhe infligiam. E Serafim alto e bom som exaltava, sem vacilar, “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo poderoso, que era, e que é, e que há de vir” enquanto olhava angelicamente as feridas, o sangue e as lágrimas de pequenas e insignificantes criaturas condenadas a expiarem o Grande Pecado, enquanto deambulando pelo planeta onde o verde da esperança se confunde com o vermelho da dor e o azul do amor vai serpenteando entre ambos. E a Terra assim se tem mantido porque assim sempre foi, sempre é e sempre será. Amém…

E assim se ouviria…[1]

Eu pensei que sabias tudo.
Bem, já o tinhas visto dez vezes antes.
Eu pensei que o sabias
Com ambos os pés no chão.

Eu amo devagar… Devagar mas profundamente.
Afetos fingidos me invadem.
Sonha, meu querido,
E renuncia às obrigações temporais.
Sonha, meu querido,
É um sono do qual podes não acordar.

Tu me constróis, tu me destróis.
Fazes de imbecil enquanto eu faço de palhaço.
Passamos o tempo ao ritmo de um velho tambor de escravos.
Tu fazes crescer a minha esperança, aumentas as probabilidades.

Dizes-me que sonho demais.
Agora cumpro pena na desilusão.
Eu não acredito mais em ti… Eu não acredito em ti.

Eu pensei que sabia tudo
Por já ter visto todos os sinais antes.
Eu pensei que fosses único.
Na escuridão o meu coração foi conquistado.
Tu me constróis, tu me destróis…

Não deixes que digam que menti.
Nunca encontrei um lar em ti.
Nunca deixes que digam que menti.
Dediquei-te todo o meu tempo.

Tema “The Host Of Seraphim”.
Original de Dead Can Dance, in The Serpent’s Egg (álbum) © 1998
Video-clip de BabyloneLife. Imagem frontal de maruhana-bachi
Tradução para Português por Zé Barbosa.

  1. Esta seria a letra do tema The Host Of Seraphim. No entanto, aparentando o tema ser vocal, Lisa Gerrard de facto não pronuncia palavra nenhuma durante todo o tema, limitando-se a vocalizar sons que lhe pareceram integrar-se bem na musicalidade do tema. Podemos então dizer que este tema é instrumental e que a voz de Lisa é mais um instrumento. Por outro lado, se aquilo que é oficialmente apresentado como a letra deste tema parece apontar para um caso de amor mal resolvido, a música por si só pode apontar para qualquer tópico no domínio do sempre presente sofrimento, drama e tragédia humanos. Sendo que os casos de amor mal resolvido fazem parte integrante desse sofrimento…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.