As Geografias da Nossa Intolerância

Imaginem que pega moda, isto de atacar o vizinho quando ele quer aderir a um clube de que não gostamos. Ou, quiçá, quando não se gosta da cor das meias que o vizinho usa. Ou ainda quando se toma consciência que há uns séculos, bem lá atrás, o vizinho foi uma outra coisa qualquer, num outro qualquer contexto que podemos redesenhar a nosso bel-prazer…

Claro que qualquer transeúnte da vida pode reescrever a História em função das suas próprias leituras da mesma ou então reescrevê-la tão simplesmente porque sim. O pior de tudo é que a Europa é uma cena bem complicada quando começamos a pensar o que é que gerou o quê! Por exemplo, imaginem que a Espanha, nosso “querido” vizinho, se lembrava de repente das maldades da Padeira de Aljubarrota[1] e descia por aí abaixo armada até aos dentes com tanques e mísseis numa missão humanitária de impor uma nova ordem. Seria terrível porque nós aqui nesta terra lusitana só poderíamos, nesse cenário, morrer a lutar ou então fugir para um único lado e neste caso teríamos que saber nadar muito bem…

Fui rever essas cenas da NATO[2], União Europeia e os porquês das irritações do criminoso Vladimir Putin e, xiçaaaaa, a coisa é realmente tão sobremaneira intrincada que dá para perceber bem porque está hoje a Ucrânia só e desamparada a tentar sobreviver à investida do segundo mais poderoso exército do mundo. Vejamos então se eu percebi, embora se me afigure que, muito provavelmente, não. A NATO é uma criação pós-guerra[3] que resultou do medo de certos países europeus em poderem ver-se atacados e invadidos como a Alemanha de Hitler fez a partir de 1939[4]. A União Europeia nasce em 1958[5] com o intuito de tornar os seus membros económicamente robustos e assim poderem melhor resistir às intempéries da vida. A URSS[6] nasce num período e por razões que, muito francamente, pouco me interessam. O Pacto de Varsóvia[7] criou-se para fazer frente ao perigo que eventualmente poderia representar a NATO para os países a leste, incluindo aquela imensa terra de czares, gelo e vodca que hoje está a massacrar a Ucrânia que, por sua vez e em tempos idos, era do mesmo clube.

Isso foi antigamente! E hoje, como estão dispostas as pedras neste xadrez de amigos, inimigos e cata-ventos? A tabela seguinte dá uma ideia. Uma ideia que até pode não ser muito rigorosa porque o primeiro grande problema nesta cena é bem enquadrar certos países numa região mundial. Por outro lado, também é preciso lembrar que certos países de hoje resultaram do desmembramento de outros países de outrora como, por exemplo, o caso das finadas Checoslováquia e Jugoslávia. Está bem, não é fácil mas não desisti. Por isso organizei a coisa em função da minha leitura e interpretação da História, em consonância com o meu objetivo. Assim algo parecido com o que o criminoso Vladimir Putin começou a fazer a partir de ontem mas, no meu caso, sem mortos nem feridos.

Afinal, qual é o meu objetivo aqui? Tentar perceber porque razão está de novo o franzino e escanzelado David (Ucrânia) a enfrentar o todo-poderoso Golias (Rússia) sem ajudinha nenhuma vinda de lado algum. Porquê? Porque a Ucrânia não se preocupou nunca, a partir do desmembramento da URSS em 1991, em posicionar-se geoestrategicamente neste tabuleiro de xadrez onde não há apenas pedras brancas e pretas[8]. É, erro crasso e mortal! Esqueceu-se de se tornar um estado lambe-botas como a Bielorrússia, desalinhado como a Moldávia ou, como outros fizeram, fazer de xico-esperto e aproveitar as distrações de Vladimir Putin, o criminoso-chefe, para se enfiar na NATO e/ou UE. Há erros que são fatais e a Ucrânia cometeu alguns desde que adquiriu o estatuto de país independente.

Como pode a Ucrânia sobreviver? Se eu soubesse não estaria aqui a escrever artigos num blog WordPress sobre coisas que, confesso, tenho imensa dificuldade em por na ordem. É que isto de viver numa aldeia global dominada pelo capitalismo[9] em que há estados neofascistas (Rússia) a acusar de neonazismo outros estados com a única intenção de os anexar (Ucrânia), é demasiada areia para a minha camioneta. Ou então é porque, simplesmente, estou velho para estas coisas…

Ut Ucraina superesse…

  1. Lá está, os portugas e o pão…
  2. Ou OTAN.
  3. A Segunda Guerra Mundial.
  4. Invasão da Polónia.
  5. Nasceu com o nome CEE.
  6. Países na tabela com fundo mais escuro.
  7. Países na tabela com fundo mais claro.
  8. Racismos à parte…
  9. Matéria de dissertação preferida de Karl Marx.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.